São Paulo, 22 de Julho de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

As muitas manchas da pitiríase rósea.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
29/01/2013 14:00

Tratamento médico pode atenuar sintomas.

A pitiríase rósea é uma doença de pele de origem desconhecida. Caracteriza-se por manchas na pele – que começam a surgir a partir de uma placa ou mancha única, com cerca de 2 a 5 cm, ao redor da qual aparecem manchas menores. O problema é mais comum em mulheres adolescentes e adultas jovens que têm a pele morena.

As manchas, que são descamativas, podem variar em quantidade: de poucas a muitas, distribuídas pelo tronco. Dificilmente manifestam-se nos membros ou na cabeça. Apesar do incômodo estético, apresentam poucos ou nenhum outros sintomas – embora, em alguns casos, possam aparecer prurido ou coçar. Quando ocorre, a coceira também pode variar, de amena a intensa.

Não se tem certeza sobre quais sejam a origem da pitiríase rósea: supõe-se que a doença possa estar associada ao aparecimento de viroses, mas outras causas não são descartadas. Tende a aparecer mais nos períodos de primavera e outono.

Mas o que fazer quando se desconfia que estão aparecendo na pele manchas de pitiríase? A primeira coisa, como toda suspeita de problema de saúde, é procurar um médico. Um médico dermatologista pode, a partir do exame clínico da pele (e, sendo o caso, também da requisição de outros exames), avaliar o problema e fazer o diagnóstico correto. Em alguns casos uma pequena biópsia pode ser solicitada. Há outros tipos de pitiríase: a alba e a versicolor, que têm aspectos, causas e requerem cuidados diferentes – o médico pode igualmente estabelecer o tipo ao qual os sintomas e características correspondem.

A cura da pitiríase rósea é espontânea, podendo ocorrer em torno de dois a quatro meses – exceto em situações em que as lesões podem inflamar (um tipo menos comum da pitiríase rósea), requerendo tratamento médico específico. Apesar da possível cura espontânea, entretanto, a consulta ao médico é importante para que a possibilidade de se tratar de alguma outra doença seja avaliada.

Além disso o médico pode prescrever medicamentos ou cremes adequados ao problema, contribuindo assim para encurtar o período da doença ou aliviar eventuais sintomas, como a descamação e a coceira, se houver.

A pitiríase rósea não é contagiosa, podendo o paciente conviver normalmente com as demais pessoas. Também não tende a ser recorrente, sendo que a pessoa vitimada pela doença dificilmente a manifestará novamente.

Atenção: Este texto é meramente informativo e seu conteúdo é genérico, portanto não tome decisões relacionadas à saúde meramente com base nessas informações. Consulte sempre um médico e siga o tratamento e recomendações por ele prescritas. Em situações relacionadas à saúde o médico é quem melhor tem condições de avaliar o estado físico e/ou de saúde, interpretar sintomas, eliminar dúvidas, orientar, fazer diagnósticos, indicar tratamentos, dietas e medicamentos (quando for o caso) e dar orientações e/ou prescrições de medicamentos e procedimentos.

Publicado originalmente em 29 de janeiro de 2013.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.