São Paulo, 22 de Junho de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Rinite: ela pode não ser alérgica.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
19/03/2013 15:32

Há outros tipos de rinites.

Ela coça. Ela incomoda. Ela dificulta a respiração, o sono, o bem-estar. Ela é terrível: ela é a rinite. Em muitas pessoas que têm esse mal a rinite pode ser percebida pelas crises de espirros, pelo nariz escorrendo, coçando ou entupido, coceira no céu da boca, olhos lacrimejando, inflamações de ouvido frequentes... O diagnóstico correto e completo deve ser dado por um médico (otorrino, alergista), mas é provável que o problema seja sim a rinite.

O nariz é talvez a parte que mais sofra com ela: parece que a pessoa está com uma gripe, mas não há alguns dos sintomas típicos dela. Aliás, o efeito no nariz e os espirros constantes tornam o problema tão parecido com a gripe que quem tem rinite talvez já tenha ouvido mais de uma vez a pergunta “gripado de novo?”.

Em muitos casos a rinite é uma reação alérgica. E bem comum: cerca de 2 em cada 10 pessoas tem rinite – embora muitos não saibam. Nesse tipo de rinite o contato com alguma substância irritante, à qual a pessoa tem alergia (como poeira, ácaros, mofo, poluição, perfumes, pelos de animais, etc.) desencadeia uma inflamação na parte interna do nariz, o que resulta nos sintomas tão conhecidos de quem tem o problema.

Entretanto nem todos sabem que a rinite alérgica não é o único tipo que existe. Há também a rinite medicamentosa, que pode ser ocasionada pelo uso excessivo de medicamentos de aplicação nasal ou como reação a esses medicamentos. É a chamada “reação de rebote”, em que o corpo está tão “repleto” ou acostumado ao medicamento que reage a ele com um efeito contrário ao esperado, gerando a rinite medicamentosa. Por isso que muitos medicamentos contra rinite devem ser usados apenas sob orientação médica, e sem exageros.

Também há a rinite vasomotora (ou “rinite idiopática”) – uma das mais “incompreendidas”, já que não se sabe exatamente por que ela ocorre. Também é chamada de “rinite não alérgica”, pois a pessoa não tem exatamente alergia a uma substância, mas sofre de sintomas muito parecidos ao da rinite alérgica. No caso da rinite vasomotora a reação pode ocorrer a partir de situações como mudanças de temperatura (frio/quente ou quente/frio) ou mesmo ao consumir um alimento com temperatura muito diferente da temperatura ambiente.

Como saber qual rinite é qual? O médico tem a resposta. Dependendo do tipo, a rinite pode não ter cura, mas há medicamentos e procedimentos que podem ser incorporados ao dia-a-dia do paciente que podem melhorar muito a situação. Se a rinite não chega a ser uma doença grave, por outro lado sacrifica a qualidade de vida do indivíduo. Estar atento para ela e buscar auxílio médico pode ajudar a evitar esse incômodo que tira o sono e o bem-estar de muita gente.

Publicado originalmente em 19 de março de 2013.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.