São Paulo, 22 de Outubro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Listeriose, proteja-se!

Escrita por: Maurício Godoi
01/06/2007 14:20

Cuidados com higiene pessoal e alimentos é a solução

A bactéria Listeria monocytogenes é a causadora da listeriose, uma doença que apresenta alto índice de mortalidade. Os principais grupos de pessoas suscetíveis são mulheres grávidas, crianças de até seis anos, idosos ou qualquer pessoa cujo sistema imunológico está debilitado. Apesar do quadro, medidas simples de higiene pessoal e cuidados no manuseio de alimentos podem eliminar o risco de contaminação.

O problema está concentrado nos alimentos pré-preparados, que já vêm prontos para consumo diretamente da indústria, e aqueles cujo tempo de validade e exposição é prolongado. Os de consumo imediato estão excluídos do risco, pois o curto prazo entre seu manuseio e consumo não favorece o aparecimento e a multiplicação da bactéria, desde que observadas as condições de higiene no preparo.

O alerta é dado pela Dra. Maria Tereza Destro, professora associada do departamento de alimentos e nutrição experimental da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP. Ela recomenda a adoção de cuidados básicos com a comida, como aquecer os alimentos a temperaturas acima de 74oC, assim os microrganismos são eliminados. Outras ações simples incluem a higiene pessoal, atos como lavar as mãos sempre, manter unhas limpas e cortadas, não usar anéis ou bijouterias ao manipular alimentos têm alta eficácia.

“A listeria pode ser transportada por pessoas, embalagens, matérias-primas, utensílios domésticos sujos, entre ou outros agentes???, enumera a professora. “Além disso, ela tem uma vida longa, não sabemos ainda durante quanto tempo a bactéria pode viver em um armário, freezer ou geladeira, então a solução é manter a higiene em dia", revela Destro.

A listeriose é tratada com a administração de antibióticos. Nas mulheres grávidas pode resultar em meningite no feto a até mesmo em aborto espontâneo. Por isso a professora aconselha as gestantes evitarem o consumo de alimentos pré-preparados e a ingerir apenas produtos frescos, principalmente no último trimestre da gravidez.

Saúde pública

Um dos maiores problemas da listeriose é a alta taxa de mortalidade, a doença é, entre as mais comuns causadoras de contaminação alimentar, a que mais causa óbitos. Nos Estados Unidos e União Européia já existe uma legislação rigorosa para controlar todos os alimentos industrializados.

Destro explica que essa regulamentação foi estabelecida em virtude dos surtos de listeriose ocorridos naqueles países na década de 90. “Em alguns locais existe um certa tolerância com certos tipos de alimentos industrializados, mas na maior parte do hemisfério norte a restrição é total, caso dos Estados Unidos e Itália???.

A preocupação com a listeriose ocorre com a alta taxa de hospitalizações, cerca de 90% das pessoas que desenvolvem a doença têm que recorrer a serviços hospitalares.

Dados mundiais apontam que o custo das internações em países que mantêm controle sobre contaminação alimentar por microrganismos, produtos químicos ou outros, chega a atingir US$ 10 bilhões todos os anos. Sobre a listeriose não há um dado específico, pois não são todos os governos que monitoram a incidência da doença, inclusive o Brasil.

Essa é uma crítica que a professora faz, ela diz que é possível encontrar dados somente nos estados de São Paulo e Paraná. “São informações esparsas que não consegui nem no Ministério da Saúde???.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.