São Paulo, 22 de Setembro de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Choque elétrico: como ajudar

Escrita por: Maurício Godoi
19/06/2007 14:22

Tempo de socorro é decisivo para a sobrevivência da vítima

O Clube SangueBom volta a abordar o tema choque elétrico na dica da semana. Na última, você conheceu os três tipos de choque que existem e como se prevenir deles. Porém acidentes acontecem, e é importante saber como agir nessas horas.

De acordo com a Brigada Militar do estado do Rio Grande do Sul, se ocorrer um acidente grave com eletricidade, é indispensável iniciar imediatamente o atendimento de emergência. As chances de salvamento da vítima diminuem exponencialmente de acordo com o tempo gasto para a realização dos procedimentos de primeiro socorros, pois uma das reações mais comuns ao choque é a parada cardiorrespiratória. Se a vítima ficar quatro minutos sem respirar, pode sofrer morte cerebral.

Uma das ações mais indicadas é a respiração artificial, mais conhecida como boca-a-boca. Para quem recebe o procedimento em até 1 minuto após o acidente, as chances de sobrevivência são de 95%, em até 2 minutos de 90%, em 3 minutos é de 75%, e em 4 minutos se reduz a apenas 50%. A partir daí as chances são mínimas, chegando a até 0,5% para após 8 minutos.

Contudo, antes de iniciar o procedimento de respiração artificial, que envolve o estímulo cardíaco por massagem combinada com respiração boca-a-boca, é necessário adotar medidas de segurança:

- Antes de tocar no corpo da vítima, certifique-se de que ela está livre da corrente elétrica – uma forma é afastá-la da fonte ou desligar o alimentador de eletricidade; Nunca faça isso com as mãos: utilize materiais isolantes tipo borracha ou madeira;

- Não mova a vítima mais do que o necessário para posicioná-la corretamente para a aplicação do procedimento de emergência;

- Verifique se a vítima está respirando, se não, inicie imediatamente a respiração artificial;

- Procure alguém para chamar o serviço de emergência dos bombeiros ou médico. Uma vez iniciada a respiração artificial, ela não pode ser interrompida até que a vítima possa respirar sozinha;

- Verifique a boca da vítima para assegurar que nenhum objeto ou mesmo a língua esteja bloqueando a passagem de ar;

- Desaperte punhos, cinto, colarinho ou outra peça qualquer que atrapalhe a circulação no pescoço, perito e abdomen da vítima;

- Mantenha a vítima aquecida;

- Até a vítima se recuperar completamente, não lhe dê nada para beber ou comer.


Existem basicamente dois processos de respiração artificial que podem ser aplicados:


1-Método de respiração boca-a-boca:

- Deite a vítima da costas com os braços estendidos;

- Restabeleça a respiração: coloque a mão na nuca do acidentado e a outra na testa e incline a cabeça da vítima para trás;

- Com o polegar e o indicador aperte o nariz, para evitar a saída do ar;

- Encha os seus pulmões de ar;

- Cubra a boca da vítima com a sua boca, não deixando o ar sair;

- Sopre até ver o peito da vítima encher;

- Solte as narinas e afaste os seus lábios da boca da vítima para sair o ar;

- Repita esta operação de 13 a 16 vezes por minuto;

- Continue aplicando este método até que a vítima respire por si mesma.


2-Método de Salvamento “Hoger e Nielsen???:

- Deite a vítima de bruços com a cabeça voltada para um dos lados e a face apoiada sobre uma das mãos, tendo o cuidado de manter a boca da vítima sempre livre;

-Ajoelhe-se junto à cabeça da vítima e coloque as palmas das mãos nas costas, exatamente abaixo dos ombros, com os polegares se tocando ligeiramente;

-Em seguida transfira lentamente o peso do seu corpo para os braços esticados até que estes fiquem em posição vertical, exercendo pressão firme sobre o tórax.

-Deite o corpo para trás, deixando as mãos escorregarem pelos braços da vítima até um pouco acima dos seus cotovelos; segure os com firmeza e continue jogando o corpo para trás, levante os braços da vítima até que sinta resistência: abaixe-os então até a posição inicial, completando o ciclo. Repita a operação no ritmo de 10 a 12 vezes por minuto.

Se esses métodos não forem suficientes para que a vítima volte a respirar sozinha após 1 minuto, ela pode ter sofrido uma parada cardíaca. Peça a ajuda alguém para aplicar a massagem no peito da vítima enquanto continua a respiração artificial. Para verificar se o coração está batendo ou não existem duas formas:

a) Pressione levemente o pescoço, próximo ao pomo-de-Adão, com os dedos indicador e médio para checar se há pulsação;

b) Levante a pálpebra de um dos olhos da vítima e verifique se a pupila está dilatada. Se após a abertura ela não se alterar, ela sofreu parada cardíaca;

Constatada a parada, a massagem deve ser aplicada imediatamente em conjunto com a respiração. Veja como fazer:

- Esta massagem deve ser aplicada sobre o coração, que está localizado no centro do tórax.

-Coloque as 2 mãos sobrepostas na metade inferior do tórax;

-Pressione com vigor a palma da mão para fazer abaixar o centro do tórax de 3 a 4 cm.Os dedos devem ficar levantados.

-Repita a operação: para cada 15 massagens cardíacas, faça 2 respirações artificiais, até a chegada do socorro mais especializado. Se houver alguém ajudando, faça um sopro para cada cinco pressões.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.