São Paulo, 23 de Maio de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Timidez é relacionada à violência

Escrita por: Maurício Godoi
23/08/2007 14:11

Estudo americano aponta relação entre os maiores casos de violência escolar

Um estudo realizado pela Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, co madolescentes identificou uma das possíveis causas que levam alunos a casos de violência extrema naquela país. É o que chamaram de timidez extrema, que no sexo masculino acaba por inflamar o uso da força extrema como estratégia de fuga. Os resultados foram apresentados na convenção nual da Associação Americana de Psicologia.

A análise dos autores dos dois massacres mais conhecidos naquele país coincidem com os apurados no estudo. O da escola Columbine – que virou documentário do cineasta Michael Moore – e mais recentemente na faculdade Virgínia Tech – onde 33 pessoas morreram – revelam que os adolescentes tinha comportamento parecido, resultado da chamada timidez cínica, caracterizada por falta de empatia, baixa tolerência diante de frustrações, rompantes de raiva, rejeição social e má relação com a família.

De acordo com a pesquisa, 21,6% dos entrevistados que afirmaram se considerar pessoas tímidas apontaram entre as alternativas estimuladas, que utilizam substâncias entorpecentes para fugir da situação constrangedora. Nas respostas livres, a maioria apontou que procura o uso da força como estratégia nas situações em que a timidez é estimulada.

Pro-atividade

Os psiquiatras que conduziram a pesquisa, Bernardo Carducci e Kristin Nethery, afirmam que a resposta mais violenta do sexo masculino é natural. Os homens, explicam eles no estudo, tendem a atitudes mais pró-ativas e públicas quando acuados. Esse é um ponto determinante, pois o risco de rejeição e de embarassamento público é muito alto.

Essa busca que aparentemente é contrária ao comportamento do tímido é resultado do desespero dessas pessoas em se relacionar com outras pessoas, explicam os psiquiatras. Em razão da dificuldade em se socializar, são rejeitados e em seguida, para não sofrer, afastam-se do convívio social e sentem raiva e hostilidade, que explica a estratégia do uso da força.

Uma forma apontada pelos pesquisadores para ajudar a evitar esses casos é estimular o tímido em clubes e e atividades sociais. Essa recomendação busca estabelecer uma rede de contatos para que o tímido extremo temha uma rede de contatos para que tenha suporte nas horas mais difíceis.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.