São Paulo, 18 de Outubro de 2017

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

O que há por trás da marca social

Escrita por: Valdir Cimino
28/09/2007 06:48

Responsabilidade social empresarial, marca de sucesso depende de compromissos pessoais

O foco deste começo de século é a da chamada responsabilidade social, ou seja, toda a empresa tem o dever de devolver ao meio ambiente uma parcela daquilo que ele (o meio) lhe proporciona.

Finalmente descobrimos que a Natureza é também um ser vivo e que precisa assim como qualquer outro, de proteção e cuidado. As empresas privadas, ou como chamamos, o 2º setor, movimentam por conta disto, uma quantidade enorme de energia no sentido de estabelecer formas saudáveis de ser responsável.

Cuidam da sua cota do social, por exemplo, através da fundação de institutos, afiliações com o Ethos ou Abrinq, contribuições para o Fome Zero, relacionamento com ong's e entidades, criação do voluntário corporativo e tantas outras ações de impacto significativos. O Terceiro Setor representa, hoje no Brasil, 1,5 % do PIB e emprega 1,3 milhões de pessoas **fonte: www.institutoterceirosetor.org.br**.

Pois bem, será que um conjunto de ações ligadas ao social é suficiente para dar à determinada marca o caráter de responsável?

Sabemos que as empresas precisam modificar sua forma de se diferenciar no mercado, afinal, aspectos técnicos e funcionais são facilmente copiados, ou seja, a tecnologia transformou a concorrência e o processo de gestão. Hoje, construir uma marca é fundamental para quem quer viver pelo menos mais meio século. Marca não é apenas um logotipo, mas uma orientação definida e clara de gestão. Além dos aspectos tangíveis, o importante é saber reconhecer e trabalhar com os aspectos intangíveis, ou seja, com a capacidade criadora do público interno, o uso da comunicação virtual, das patentes e o afeto pela própria marca.

Falamos de empresas que atraem investidores, tem bons sistemas tecnológicos e são abertas à globalização, investem em pesquisa, conhecem o mercado em que atuam em detalhes, possuem boa logística e pós-venda, além de um programa ambiental e, principalmente, relacionam-se bem com os seus públicos interno e externo.

O importante nesta análise é entender como a empresa chega a essas definições que modificam o modelo de negócio e, conseguem até, transformar a marca. A busca é incessante por bons resultados, mas bons resultados acrescentam responsabilidade à marca?

Ao contrário do que muitos imaginam, a pergunta a se fazer é: quem é essa empresa? Se uma ação social e bons resultados precisam de legitimidade para acontecer, portanto, precisam de pessoas responsáveis, e é esse valor que está por trás de qualquer marca de sucesso.

Valdir Cimino é Diretor Fundador da Associação Viva e Deixe Viver, Sócio Diretor da CS.pro Assessoria em Comunicação Social e Coordenador da área de Relações Públicas da Faculdade de Comunicação da FAAP

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.