São Paulo, 22 de Outubro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Emagrecer comendo, é possível?

Escrita por: Maurício Godoi
04/10/2007 14:09

O segredo é manter a proporcionalidade dos nutrientes

Dietas e perda de peso são assuntos que sempre rendem discussões. Os métodos para atingir o objetivo desejado passa desde o uso de medicamentos que inibem a fome, dietas das mais variadas formas e origens, e ainda, metas impossíveis de peso. Esses três fatores são apontados como os principais motivos que levam à pior conseqüência para quem passou por essas etapas, a recuperação de toda a massa que havia perdido.

Para se ter uma idéia de como é difícil a manutenção do peso, uma cidade na Itália chegou até mesmo a oferecer dinheiro para aqueles que conseguissem. O método, apesar de polêmico, teve como objetivo reduzir os custos com despesas médicas em decorrência da obesidade.

Para a endocrinologista Ellen Paiva, diretora do Centro Integrado de Terapia Nutricional (Citen), a melhor forma de manter o peso é a tradicional reeducação alimentar. Para chegar a esse ponto, não deve haver restrições no tipo de alimento, mas sim na quantidade ingerida. Ela afirma que podemos comer o que gostamos e ao mesmo tempo perder ou manter a forma desejada, mas de acordo com orientação médica especializada.

A explicação dela é simples, dietas que restringem alimentos são chatas e não vemos a hora de acabar para que possamos comer o que nos agrada. Remédios que não deixam a fome surgir atuam apenas durante um tempo, dependendo da pessoa, pode aparecer a tolerância ao medicamento, e assim, a fome voltar mesmo com a administração dessas drogas. Metas irreais que não obedecem as proporções físicas da pessoa também não funcionam.

Veja as dicas da endocrinologista para quem deseja perder e manter o peso alcançado:

-Não entrar em dietas restritivas ou da moda, pois são fantasiosas e não têm base científica, nem compromisso com a saúde;

-Dietas somente personalizadas, pois respeitam a pessoa e sua individualidade;

-Dietas devem manter o sabor e nutrientes no cardápio adequando as proporções às necessidades individuais;

-Dietas ideais são as que possibilitam opções de alimentação dentre as preferências de cada pessoa;

-Não usar medicamentos anorexígenos, pois eles eliminam a fome – é necessário sentir fome para se reeducar. Além disso podem trazer efeitos colaterais;

-Se usar medicamentos, privilegiar os que aumentam a saciedade;

-Nunca estabelecer metas irreais para a perda de peso.

De acordo com a endocrinologista, manter o peso ideal é uma das maneiras de viver bem e faz parte do aprendizado e amadurecimento da pessoa.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.