São Paulo, 26 de Agosto de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Sinal amarelo nas cidades

Escrita por: Maurício Godoi
17/01/2008 11:42

Por enquanto ocorreram apenas casos de febre amarela no campo

Se existe um inseto que é conhecido da população, esse é o Aedes Aegypti, mais famoso por ser o mosquito da dengue. Todo verão é a mesma história, é cair uma chuva e ele volta a ser destaque na TV, rádio, jornais e até mesmo aqui, na internet. Porém, a rotina de se falar sobre a dengue foi quebrada em razão do alto número de alarmes contra a outra doença que esse mosquito pode transmitir, a febre amarela.

Só nos 15 primeiros dias de 2008 foram confirmados mais óbitos em decorrência dessa enfermidade do que em todo o ano passado. A febre amarela assemelha-se a uma gripe mas deixa a pessoa com aparência amarelada, daí o nome. Apesar desses casos o ministro da saúde, José Gomes Temporão, descarta a ocorrência de uma epidemia no Brasil, pois a doença não é registrada em cidades desde 1942. A forma dos casos conhecidos até o momento é da silvestre, ou seja, adquirida ao visitar ou morar em matas, florestas ou cerrados nas áreas de risco.

Entre as ações que o governo federal têm tomado nas últimas semanas está a de conscientização da população. Os meios de comunicação têm divulgado que as pessoas que precisam tomar a vacina são apenas aquelas que viajarão para qualquer área de risco – ou que moram nesses locais – e que não tenham sido vacinadas nos últimos 10 anos, período que dura a imunização.

Transmissão

O médico infectologista do Hospital e Maternidade São Camilo, José Ribamar Branco explica que os sintomas mais comuns da febre amarela são febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina).

“A pessoa é contaminada quando é picada por um mosquito que tenha picado anteriormente um animal com o vírus da doença, o mais comum é o macaco???, diz o médico. Por ser de origem silvestre, os mosquitos responsáveis pela contaminação são o haemagogus e o sabethes. O Aedes Aegypti só transmite a doença nas cidades, onde ainda não foi identificado nenhum caso de contaminação.

A febre amarela causa um quadro de hepatite e dependendo da evolução do paciente pode levar á insuficiência renal. As pessoas que estão nos extremos de idade, ou seja, crianças e idosos, são os casos mais arriscados, assim como aquelas pessoas com alguma doença como cardiopatias, diabetes, entre outras.

Não há forma de tratamento, apenas suporte ao paciente com a administração de medicamentos para combater os sintomas. “Por essa razão, pessoas saudáveis tem maior chance de apresentarem uma melhor evolução e se curar da doença???, conclui Branco.

O infectologista reforça a informação que o Ministério tem divulgado, a de que não é necessário que todas as pessoas se vacinem. A razão é que os casos identificados até o momento são de origem silvestre. Porém ele alerta, “o grande motivo do pavor é se o mosquito da dengue picar alguém contaminado e a partir daí repassar o vírus pela cidade. Aí teremos um epidemia por causa da alta incidência da população do Aedes Aegypti nas cidades de todo o País???.

De acordo com informações do Ministério, a única forma de se prevenir da doença em sua forma silvestre é tomar a vacina. Apesar disso não há informações sobre postos que realizam a imunização das pessoas. Quem não tem conhecimento de como procurar os locais onde é realizada a vacinação, pela internet, passa um belo sufoco até achar um posto. Por isso o Clube SangueBom traz abaixo dois links com duas relações: a de postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, e a dos postos no estado de São Paulo relacionados no site do Centro de Vigilância Epidemiológica , CVE. Nesse último caso é só escolher a região que pretende consultar. Em ambas as listas há o telefone para contato, bem como o período de atendimento.

Para quem deseja obter mais informações sobre a febre amarela, o site do Minsitério da Saúde colocou no ar um site especial sobre a febre amarela com diversas informações para a população. Clique aqui e saiba mais sobre a doença e o que fazer.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.