São Paulo, 21 de Março de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Doar sangue é coisa séria

Escrita por: Regiane Sanchez
16/05/2008 14:17

Bancos de sangue realizam diversos testes para atestar a segurança do hemocomponente

Você já deve ter lido que o número de doadores de sangue no Brasil precisa aumentar em cerca de 100%. Assim, o país poderia alcançar o nível indicado pela OMS – Organização Mundial da Saúde. Um outro fator que contribui para uma menor quantidade de estoque disponível são as pessoas que não preenchem os requisitos mínimos e as bolsas de hemocomponentes que são descartadas em razão de algum problema detectado.

São diversos os casos em que não se pode doar sangue. Eles foram determinados pelo Ministério da Saúde, que estabeleceu alguns critérios que visam proteger o doador e garantir a segurança de quem vai receber o sangue.

Alguns desses critérios impedem a doação até que a pessoa se restabeleça. São esses casos: febre, gripe, resfriado, gravidez, uso de alguns medicamentos, ingestão de bebida alcoólica no dia da doação e pessoas que adotaram comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis.

Além disso, há ocorrências em que não se pode doar sangue de modo algum. Essa restrição abrange pessoas que apresentam doenças que podem ser transmissíveis pelo sangue. Entre elas, hepatite após os 10 anos de idade, aquelas que apresentam evidência clínica ou laboratorial de hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas, uso de drogas ilícitas injetáveis e malária.

A hematologista e hemoterapeuta Sílvia Martins Guedes, do banco de sangue da Unidade Pompéia do Hospital e Maternidade São Camilo, explica que antes da doação o possível doador faz alguns testes como, o de sinais vitais e hematócrito (que mede a quantidade de células vermelhas no sangue) antes da bolsa seguir para o estoque.

Além disso, é realizada uma entrevista com um médico ou enfermeiro referente as últimas viagens, se fez tatuagens, se colocou algum piercing, fez acupuntura ou sofreu algum acidente biológico. Somente após todo esse processo o candidato a doador pode se dirigir ao banco para doar.

Confiança

A especialista explica que essa verificação é importante, pois garante a qualidade do componente que será em breve transferido para o organismo de um paciente. Se houver alguma ocorrência de anormalidade o sangue é descartado. Neste caso, uma carta é enviada ao doador solicitando que compareça ao hemocentro para uma entrevista com o médico e para a realização de novos exames.

Uma recente pesquisa divulgada como tese na Faculdade de Medicina da USP revelou um dado que justifica a preocupação com a análise do sangue doado. Metade das pessoas não realizariam a coleta de sangue se falassem a verdade sobre seus hábitos e condição de saúde na hora da triagem. A pesquisa utilizou dados coletados de 1999 a 2003.

Para fazer a doação é necessário levar um documento oficial de identidade com foto. Após a doação evite esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas e aumente a ingestão de líquidos. Não fume por cerca de 2 horas, evite bebidas alcoólicas por 12 horas, mantenha o curativo no local da punção por pelo menos de 4 horas e não dirija.
Os intervalos entre as doações devem ser de 60 dias para o homem e 90 dias para a mulher.

Para saber mais, você pode comparecer aos postos do banco de sangue do Hospital e Maternidade São Camilo nos endereços abaixo:

Posto Pompéia - Av. Pompéia, 1178 - (11)3677-4444 - Ramal 5055

Posto Santana - Av. Voluntários da Pátria, 3997 - (11) 6972-8000 - Ramal 1134 ou 1135

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.