São Paulo, 26 de Junho de 2017

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Células-tronco: Esperança de cura

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
22/07/2008 09:37

As células-tronco são consideradas a esperança de cura para muitas doenças

As células-tronco são células primitivas, produzidas durante o desenvolvimento do nosso organismo.
São consideradas a esperança de cura para muitas doenças, já que podem se converter em quase todos os tecidos humanos e também originar outros tipos de células.

O número de pessoas que necessitam de transplante é muito maior do que os órgãos disponíveis para tal e as células-tronco permitem a possibilidade de reposição de células e tecidos, facilitando esse processo, eliminando as grandes filas de espera por órgãos e minimizando o sofrimento de pacientes e familiares.

A forma mais comum de obter células-tronco é por meio de embriões congelados. Nesta técnica, óvulos fertilizados em clínicas de reprodução assistida se desenvolvem até um estágio conhecido como “blastocisto”. Depois de chegar neste estágio, o embrião é destruído e as células-tronco são removidas dele, podendo ser então utilizadas.
De acordo com a opinião de inúmeros pesquisadores, uma grande quantidade de doenças poderiam ser tratadas e curadas a partir das células-tronco, tais como: câncer, doenças do coração, osteoporose, Parkinson, diabetes, cegueira, danos na medula espinhal, doenças renais, doenças hepáticas, escleroses, Alzheimer, distrofia muscular osteoartrite, doenças pulmonares, entre outras.
Países como Inglaterra, Austrália, Canadá, China, Japão, Holanda, África do Sul e Alemanha consideram legal a utilização de células-tronco, no Brasil apenas os estudos científicos são permitidos.
O grande problema é que muitos pilares rejeitam as células-tronco, justamente pela forma que são adquiridas. Isso tem sido foco de discussões entre cientistas, médicos, leigos e políticos, já que alguns acreditam ser uma forma de aborto, devido a destruição do embrião.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.