São Paulo, 18 de Novembro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Exercícios mentais previnem perda de memória

Escrita por: Isabela Neiva
04/07/2006 10:23

Cuidados simples podem garantir lembranças vivas por muito tempo

O melhor método para garantir uma boa memória por muito tempo é exercitar a mente. Os exercícios são importantes porque mantêm sinapses (conecções entre neurônios) ativas. E são as sinapses as principais responsáveis por 'encontrar' as informações rapidamente no seu cérebro. Por isso, quanto mais você exercitá-las, mais facilmente lembrará das mais diversas informações.

É o que explica o neurologista Paulo César Francisco, diretor da clínica hospitalar Climed. "Quando você passa muito tempo sem usar uma sinapse, ela morre. Por exemplo, talvez você não consiga lembrar do nome de todos os seus colegas do primário. Mas pense no nome de seu namorado, como você pensa muito nele, há uma sinapse que não acaba nunca".

O neurologista dá algumas dicas de exercício de reativação de memória. Fazer palavras cruzadas é uma indicação simples, mas que tal escovar os dentes com a mão esquerda, se você for destro? Ande pela casa com a luz apagada e tente encontrar objetos, tente identificar o cheiro de cada lugar que você vai. Ler livros constantemente e aprender novos idiomas também ajuda muito. Em suma, exercite de forma constante e inusitada os 5 sentidos do corpo.

A perda de memória pode ser associada tanto ao processo natural de envelhecimento do organismo e quanto a doenças. O envelhecimento dos neurônios e sinapses inicia após os 30 anos de idade, mas as perdas não são significativas. "Em pacientes jovens, depressão emocional e estresse são os principais motivos de perda de memória, " explica Paulo César.

No caso da depressão, o que ocorre é um distúrbio dos neurotransmissores, responsáveis pela transmissão de estímulos entre as células nervosas. As sinapses neuronais são alteradas, e ocorre uma diminuição na quantidade de neurotransmissores, causando o mau funcionamento do circuito nervoso. Tal distúrbio compromete, entre outras funções cerebrais, a memória.

*Influências*

"A perda de memória começa a ser preocupante quando atrapalha socialmente", diz o médico. Em casos mais graves, a pessoa esquece que se alimentou, perde-se na rua, não reconhece amigos e familiares. Esse tipo de disfunção ocorre geralmente depois dos 60 anos e as razões podem ser infartos cerebrais ou ainda influenciado por fatores genéticos, como é o caso de doença de Alzheimer.

Paulo César também explica que a alimentação influencia a memória em alguns casos, quando a pessoa apresenta um dieta extremamente pobre em nutrientes, mas numa pessoa saudável a diferença não e visível. Ele faz uma última ressalva. "Ainda não existe um remédio que a comunidade científica internacional veja melhora da memória." Ou seja, a melhor maneira de conservar a memória é usá-la bastante.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.