São Paulo, 24 de Novembro de 2017

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Dermatite de contato

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
12/01/2009 18:22

Você tem alergia à bijuterias?

Alguns materiais utilizados para fabricar bijuterias podem causar alergia. Teoricamente, qualquer produto pode provocar o problema, mas o grande vilão dos brincos, colares e pulseiras é o níquel, muito usado nas produções por causa do seu baixo custo. O cobalto também é um agente causador em potencial, até o plástico também pode causar a alergia.

O problema é denominado dermatite de contato e o quadro se caracteriza por coceira, avermelhamento da pele e descamação do local, podendo formar bolhas e crostas.
O problema não traz conseqüências maiores do que a própria coceira e vermelhidão, mas só melhora com a suspensão do uso do acessório que causou a alergia.

É importante lembrar que nem sempre resolve trocar a peça por outra de ouro puro, como muitos aconselham, uma vez que são raras as jóias fabricadas puramente com o material.

O ouro puro de 24 quilates, é muito mole, dificultando a produção e uso da peça. As jóias verdadeiras costumam ser confeccionadas com uma liga do ouro com outros materiais, como prata, ródio, paládio, cobre e o próprio níquel, de acordo com a cor que se quer obter. Qualquer uma dessas substâncias pode ajudar a desenvolver a alergia.

Usar brincos de pressão não ameniza a questão, já que o simples contato com o material é suficiente para causar a dermatite. Por isso é comum as pessoas terem alergia não só com o uso de bijuterias, mas também com relógios, botões, zíper e assim por diante.

A causa da alergia é a sensibilidade ao produto após o contato com o mesmo, podendo demorar anos para se manifestar. A dermatite acontece porque a pele vai sendo estimulada à inflamação com o uso prolongado do material. Da mesma forma, é possível que a pessoa deixe de ser alérgica a uma substância com o passar do tempo.

Cuidados necessários:

• Aplicar esmalte na peça pode diminuir o contato do metal com a pele, mas não o isola totalmente, portanto não resolve o problema. Soluções como essa podem, inclusive, irritar ainda mais a epiderme.

• Teste bijuterias fabricadas com outros materiais e evite o uso do produto que causa o problema.

• Cremes à base de corticóide e anti-histamínico orais geralmente ajudam, mas o importante é não usar mais o agente causador da alergia.

• Consulte um dermatologista que irá prescrever pomadas anti-inflamatórias de acordo com a área afetada, por um determinado período de tempo.

• O ouro puro é a substância menos alergênica, causando o problema raras vezes.


Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.