São Paulo, 18 de Outubro de 2017

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Brasileiros: mais gordinhos.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
17/09/2010 17:56

Ruim para a saúde, obesidade atinge parte expressiva da população.

Os brasileiros estão ficando mais gordinhos. É o que comprova pesquisa publicada pelo IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os números mostram que o percentual de crianças de 5 a 9 anos com sobrepeso é de 30%; entre os que têm entre 10 e 19 anos o índice é de 20% e, entre os adultos com 20 anos ou mais, a taxa de sobrepeso é de 48% para as mulheres e 50,1% para os homens. Os resultados são alarmantes.

Para o cálculo, o Instituto usou os parâmetros da Organização Mundial da Saúde, OMS, que definem como sobrepeso um índice de massa corporal superior a 25%.

Se a população seguir esse ritmo, em cerca de dez anos as pessoas com peso acima do ideal serão 30% dos brasileiros – um índice idêntico ao dos Estados Unidos.

Por que a população do Brasil está engordando? A fonte da notícia ruim parece ser uma notícia boa: pode-se entender que a melhoria da economia e da renda do brasileiro a partir da implantação do Plano Real, no governo Itamar Franco (1992-1994), deram início a um processo de melhoria no poder aquisitivo da população. Com mais dinheiro no bolso e estabilidade nos preços, a população começou a consumir mais produtos industrializados.

Uma Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) do IBGE de 2002/2003 mostra por exemplo que as famílias têm substituído o tradicional arroz-feijão-carne-salada por carnes processadas, comida congelada e outros alimentos industrializados – mais calóricos e menos nutritivos. O resultado se vê na balança.

O que fazer? Um bom caminho na luta contra a obesidade seria a adoção de políticas públicas de saúde que combatessem o problema. Mas, independentemente do que for – ou não – feito a nível Brasil, você pode fazer sua parte cuidando para não ser um dos números da estatística. A adoção de hábitos saudáveis de vida, com alimentação baseada em alimentos que não sejam industrializados, com menos calorias e em quantidades adequadas – ou seja: apenas a suficiente –, aliada a prática de exercícios, é um caminho difícil e sem novidades, mas é realmente eficaz.

Soluções milagrosas ou dietas que apenas favorecem o “efeito sanfona” (a pessoa emagrece durante a dieta, mas volta a engordar quando ela acaba) não são soluções efetivas. Uma reeducação alimentar, habituar-se a ver a quantidade de calorias dos alimentos e fazer escolhas mais saudáveis do que se põe no prato já é um começo. Se este é seu caso, não deixe para a próxima segunda-feira: comece agora e evite os problemas da obesidade, que são muito maiores do que a estética.

Em tempo: para calcular seu índice de massa corporal, divida seu peso, em quilos, pela sua altura (em metros) ao quadrado (isto é, vezes ela mesma). Por exemplo: uma pessoa com 80 kg e 1,80 m tem um índice de massa corporal de 24,69. Para se chegar nesse resultado, o peso (80) foi dividido por 3,24, que é o resultado da altura ao quadrado (1,80 x 1,80 = 3,24). O resultado final neste exemplo é, pois, 24,69.

Valores acima de 25 indicam sobrepeso e, acima de 30, indicam obesidade. Mas atenção: este é um cálculo genérico; na dúvida consulte seu médico.

Atenção: Este texto é meramente informativo e seu conteúdo é genérico. Este texto não substitui a opinião de um profissional de saúde. Não determine suas ações meramente com base nos dados aqui contidos. Consulte sempre um médico e siga o tratamento prescrito. É o médico quem melhor tem condições de avaliar um estado físico e/ou de saúde, fazer diagnósticos, indicar tratamentos e medicamentos quando for o caso e dar orientações em questões de saúde.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.