São Paulo, 26 de Agosto de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

EUA é o país que mais investe em saúde

Escrita por: Renata Perre
01/02/2007 13:44

Contraditoriamente, país continua sofrendo com obesidade da população

De acordo com uma pesquisa divulgada pela organização norte-americana Kaiser Family Foundation, os Estados Unidos gastam mais com saúde do que 18 outros países desenvolvidos. Os dados da entidade - focada nos cuidados de saúde da nação - revelam que no ano de 2003 o país desembolsou cerca de 6 mil dólares por pessoa, ou seja, 18% de todos os recursos públicos foram destinados à saúde.

Em segundo lugar ficou o Luxemburgo, que gastou US$ 4.610 por cabeça. Bélgica, França, Islândia, Noruega e Suíça gastaram entre US$3.044 e US$3.807. Já Finlândia, Japão, Itália, Reino Unido, Irlanda, Dinamarca, Austrália, Holanda, Suécia, ??ustria, Alemanha e Canadá gastaram entre US$2.104 e 2.983.

Em contrapartida, as crianças norte-americanas enfrentam um grave problema de saúde em relação à obesidade infanto-juvenil. Segundo uma outra pesquisa da Kaiser Family Foundation, elas são bombardeadas anualmente com cerca de 40 mil propagandas de alimentos não-saudáveis, como doces, batatas fritas e fast-foods. O estudo também aponta que o site de uma fabricante de biscoitos recheados nos EUA, a Nabisco, chega a receber visitas de até 800 mil crianças por mês.

Brasil

Segundo os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS), o governo brasileiro gasta cerca de US$ 280 por ano em saúde por habitante. Os gastos vêm aumentando desde 2000, mas o país ainda gasta prporcionalmente menos que seus vizinhos. De acordo com o relatório divulgado ano passado pela OMS, o governo destinou 10,3% de seu orçamento ao setor em 2003 - contra 9,7% um ano antes e 8,5% em 2000. Considerando o valor gasto com saúde pelas 60 maiores nações do mundo, o Brasil está na 35ª posição, imediatamente atrás da Rússia e do Chile e acima de países como Turquia, México, e China.

Além disso, 54,7% dos gastos em saúde são privados. O inglês e o sueco, por exemplo, precisam tirar do bolso só 14% - os outros 86% são pagos pelo governo. Na Suíça, os gastos privados representam 37%.

O Brasil ainda destina um porcentagem menor de seu orçamento para a saúde do que outras nações latino-americanas. Na Argentina, o setor representava 14,7% do orçamento em 2003. O índice brasileiro é pior até que o do Haiti, que gastou 23%, e o de Cuba, que consumiu 11,2% de seus recursos na área. Abaixo do Brasil estão apenas o Equador (8,2%), o Uruguai (6,3%) e a Venezuela (6,4%).

Desde 2000, a Constituição brasileira fixa o mínimo que cada setor do poder público deve investir em saúde. Embora boa parte destes setores não cumpra a determinação - já que a regulamentação da emenda constitucional está parada no Congresso - o texto diz que a União tem de gastar o mesmo valor do ano anterior mais a variação nominal do PIB; os Estados, 12% da arrecadação de impostos; e os municípios, 15%. O Ministério da Saúde estima que R$ 9 bilhões deixam de ser aplicados em saúde todos os anos.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.