São Paulo, 17 de Dezembro de 2017

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Nictúria: um problema, em especial para os mais idosos.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
30/03/2011 15:34

Urina noturna elevada atrapalha o sono e expõe idosos a risco de quedas.

De repente você começa a sonhar que está procurando um banheiro, mas não o encontra. Ou, se encontra, estranhamente não consegue aliviar a sensação incômoda de que precisa urgentemente urinar. Já passou por isso? Mas não é só um sonho: é também seu cérebro alertando que você precisa acordar e ir ao banheiro.

Essas situações, quando esporádicas, podem ser resultado da ingestão maior de líquidos durante a noite ou o uso de algum medicamento ou até mesmo a ingestão de algum alimento diurético no período noturno que pode ter aumentado naquele momento o volume de urina durante o sono.

Em situações normais o volume de urina é menor à noite do que durante o dia (cerca de 1/3). Quando a pessoa passa dos 60 anos, entretanto, essa relação se iguala – isto é, o volume de urina expelido durante o dia tende a ser o mesmo do volume expelido à noite.

A urina noturna, tecnicamente, é chamada de noctúria. Quando esse volume está aumentado é chamado de nictúria. O aumento anormal do volume de urina noturna pode estar associado a problemas de saúde, como apneia do sono, diabetes e doenças renais (em caso de suspeita de que há algum problema, um médico deve ser consultado para fazer o diagnóstico).

Um grande problema relacionado à urina noturna, porém, seja ela normal ou aumentada, é em especial o risco inerente aos idosos.

Urinar à noite:
risco sério de queda.


Levantar-se durante o sono para urinar expõe idosos a riscos aumentados de queda, que podem ocasionar sérias complicações – como fraturas, perda ou diminuição de mobilidade e até ferimentos fatais.

Para combater o problema pode haver reeducação no consumo de líquidos ou mudança no horário de tomada de medicamentos. Ao receber a indicação de um medicamento, portanto, é útil perguntar ao médico se o remédio aumenta a quantidade de urina e, caso seja indicado, se pode ser tomado durante o dia ao invés de à noite.

Às pessoas com urina aumentada também podem ser indicados pelo médico tratamentos hormonais que diminuem ou eliminam o problema.

Uma providência simples que não diminui a urina mas ajuda a evitar o risco de queda no trajeto do idoso ao banheiro é a adoção de iluminação fácil de ser acionada por ele, remoção de tapetes e obstáculos ao longo do trajeto (móveis, degraus, etc.) e uso de pisos não-derrapantes, em especial no banheiro (que normalmente usam piso cerâmico liso, bastante escorregadio – mas que podem ser substituídos por pisos antiderrapantes ou receberem revestimento antiderrapante, que deve ser muito bem feito para não se soltar). Em casos em que o idoso apresenta mobilidade com dificuldade, é importante também que seja acompanhado por alguém no trajeto.

Outra complicação da urina à noite é que pode ser comprometida a qualidade do descanso – inclusive da esposa ou marido que dorme na mesma cama. A pessoa, por ter que acordar para urinar (ou ser acordada pelo par) acaba tendo o sono fragmentado e tem a qualidade do descanso comprometida, o que pode gerar stress, perda de concentração, sono durante o dia, irritabilidade, etc.

Os riscos de queda e de comprometimento do descanso podem não afetar apenas os idosos. Pessoas mais jovens podem ter esse tipo de problema, sendo importante ficar atento para os riscos ou para o volume aumentado de urina, que pode ser sintoma de problema de saúde – e, havendo alguma suspeita, consultar um médico.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.