São Paulo, 17 de Junho de 2019

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Sim, elas sentem mais frio.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
06/04/2011 15:43

Não se deve brigar: percepção de temperatura difere por sexo.

O problema pode incomodar. No trabalho, é uma interminável luta pela temperatura do ar-condicionado. Na praia, basta começar uma leve brisa e logo elas se enrolam na toalha. Na cama, não se conformam apenas com um leve lençol: uma pequena variação de temperatura já é motivo para retirar do guarda-roupa aquela manta de inverno, um bom cobertor ou até mesmo um pesado edredom – enquanto o parceiro transborda suor por todos os poros.

Por que as mulheres sentem tanto frio? Seria implicância, charminho, chantagem emocional ou será que elas realmente se sentem incomodadas por temperaturas mais baixas com mais facilidade que os homens?

A hipótese correta é a última: elas de fato sentem mais frio. Isso acontece por vários motivos. Um deles é que, na verdade, o homem também sente mais calor. Como, de forma geral, os homens têm maior massa muscular (células musculares produzem mais calor), o metabolismo masculino é mais acelerado – por isso o organismo masculino produz mais calor e transpira mais.

Mas a regra, para esta explicação, não é o gênero, e sim o metabolismo: um casal, por exemplo, em que o homem é menor ou tem menor massa muscular que a mulher, pode perceber que ambos têm a mesma percepção de frio e calor – ou pode acontecer até mesmo de o marido sentir mais frio que a esposa.

Há também uma explicação que afirma que, fisiologicamente, parte dessa diferença está no centro termorregulador do hipotálamo da mulher – mas o assunto, sob esta lógica, ainda é controverso, e parece que a composição física e até os hormônios dão explicações mais significativas.

Um problema que é dos dois.

Teorias à parte, na prática a diferença de percepção das temperaturas é bem visível: casais dormindo em camas separadas, colegas de trabalho brigando, mulheres esparramadas sob o sol enquanto o homem derrete sob o guarda-sol na praia e desentendimentos constantes por causa da temperatura do ar-condicionado do carro, do cinema, da loja. Tudo por causa do frio ou do calor que cada um sente. Portanto, a culpa não é das mulheres. Mas também não é dos homens, deve ficar bem claro.

Afinal, o homem sente sim também mais calor, então é necessário que o entendimento da questão seja mútuo.

Compreender, por exemplo, que às vezes trocar a blusinha leve de alças por algo mais quente pode ajudar as mulheres a enfrentar o frio no ambiente de trabalho e pode ser uma sugestão.

Mas esse entendimento não precisa e nem deve ser só “delas”: aos homens também é necessário ter bom senso, evitando o exagero no ar-condicionado, o escancarar de portas e janelas durante a madrugada e a exigência constante de um ventilador ligado aonde for.

A grande ajuda, portanto, é os lados deixarem as faces destrutivas de machismos e feminismos para viverem bem e com gentileza. Ambos cedem um pouco e o entendimento vem. Lembrando que, afinal, a pior temperatura é a da frieza da alma.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.