São Paulo, 11 de Dezembro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Otite média serosa – você sabe o que é?

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
16/06/2011 17:12

Problema é comum em crianças, mas pode afetar também adultos e idosos.

Ela aparece muitas vezes depois de uma gripe ou resfriado. Também pode atacar quem tem rinite alérgica, criando bastante desconforto. Ou, ainda, quem tem disfunções nas trompas de Eustáquio. Estamos falando da otite média serosa. Muito comum em crianças, ela também pode acometer adultos e idosos, causando diminuição da audição enquanto a doença estiver ocorrendo. Pode também ocorrer a evolução do quadro para uma infecção.

Apesar do nome, a otite média serosa nada tem a ver com a cera de ouvido comum, que por vezes o médico otorrino pode recomendar retirar por meio de uma lavagem. A otite serosa é um problema um pouco mais complicado, que pode demandar uma certa dose de paciência de quem é por ela acometido – além, é claro, do necessário acompanhamento médico.

Você conhece a
trompa de Eustáquio?


A otite serosa está associada ao funcionamento (ou à falta dele) da trompa de Eustáquio – um canal que liga a caixa do tímpano com a parte interna de trás do nariz. Isso mesmo: seu ouvido é conectado ao seu nariz, por mais estranho que isso possa parecer.

Essa ligação é importante por permitir que a pressão interna do ouvido esteja sempre ajustada à pressão atmosférica do ambiente em que a pessoa está. Quando descemos a serra em direção à praia ou voamos de avião o “estalo” que muitos sentem refere-se justamente a essa equalização de pressão, feita por meio do ar do ambiente que acessa o interior do ouvido por meio da trompa de Eustáquio (e vice-versa).

O problema é que em uma gripe, por exemplo, alguma secreção do nariz pode literalmente entrar pela trompa de Eustáquio, o que pode gerar a sensação de ouvido tampado, com perda (normalmente reversível) de parte da audição e com o risco de que o quadro evolua para infecção – afinal, o “caldo” alojado dentro do ouvido pode formar um ambiente propício ao desenvolvimento de microorganismos, que podem gerar uma infecção.

Muitas vezes a rinite ou problemas na adenoide (tecido localizado na parte posterior do nariz; também chamada popularmente de “carne do nariz”) podem estar associados à otite média serosa, entre outras possíveis questões que devem ser investigadas pelo médico.

Caso o problema seja percebido, o paciente deve portanto procurar um médico otorrino, que avaliará o melhor procedimento para resolução do incômodo e cuidará para que um quadro de infecção não se instale (ou receitará medicamentos para combatê-lo, caso já tenha se instalado).

O médico poderá prescrever o uso de gotas nasais (descongestionantes), bem como antiinflamatórios e mucolíticos para diminuir a viscosidade do líquido no ouvido médio e tentar assim reverter o quadro.

A recuperação pode demorar várias semanas para ocorrer e muitas vezes é natural – o próprio organismo cuida de absorver o líquido existente no ouvido médio. Caso isso não ocorra em alguns meses o médico pode também adotar um procedimento cirúrgico que consiste na instalação, na membrana do tímpano, de um pequeno dreno, que permitirá a equalização da pressão no ouvido e o arejamento do mesmo, combatendo o acúmulo de líquido no mesmo. Após um determinado período o dreno é retirado e a membrana cicatriza, sem maiores sequelas.

O importante é não partir para a automedicação ou adotar procedimentos como “lavagens de ouvido” caseiras: a lavagem não resolve o problema e o sistema auditivo é complexo e bastante delicado, sendo importante o acompanhamento médico – inclusive para afastar a possibilidade de problemas mais graves envolvendo o local.

Idosos e crianças
muito pequenas
requerem atenção


No caso de crianças ou idosos com dificuldades de comunicação convém também atenção especial. Como não conseguem expressar o que sentem podem estar vivendo o problema e não ter a questão percebida. Raramente o quadro é acompanhado de dor acentuada, o que dificulta a percepção da existência da doença. A criança acometida por longo tempo por perda de audição por otite média serosa pode, por exemplo, ter dificuldades na fala. Pessoas acometidas pelo problema também sofrem com a perda da qualidade de vida, devendo sempre ser buscada a solução para a questão.

Situações como voo de avião também podem ser desaconselhadas durante a doença, pois nessa situação há a dificuldade da equalização da pressão entre o ambiente e o ouvido. Nesse caso, peça a orientação de seu médico antes de voar, pois como em um voo há variação grande de pressão (em razão da variação de altitude no pouso e decolagem), podem haver quadros intensos de dor ou outros problemas. Convém, portanto, ficar atento.

Atenção: Este texto é meramente informativo e seu conteúdo é genérico. Consulte sempre um médico e siga o tratamento e recomendações por ele prescritas. É o médico quem melhor tem condições de avaliar um estado físico e/ou de saúde, orientar sobre o consumo de alimentos em razão de seu estado de saúde, fazer diagnósticos, indicar tratamentos, dietas e medicamentos (quando for o caso) e dar orientações e/ou prescrições de medicamentos e procedimentos.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.