São Paulo, 18 de Novembro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Própolis: bom para a garganta.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
03/02/2012 13:52

Produto das abelhas pode ajudá-la.

Até o significado do nome mostra que ele existe para servir: uma das interpretações do significado da palavra “própolis” afirma que ela vem do termo grego “pró” (“em benefício de”) mais “polis” (que significa “cidade”; sociedade organizada – mesma raiz da palavra “polícia”, por exemplo). Ou seja: própolis é a substância produzida pelas abelhas em benefício de sua “cidade”, a colmeia.

Ele é usado por elas justamente para isso mesmo: proteger a colmeia de fissuras, buracos, insetos invasores ou locais e substâncias potencialmente contaminantes, sendo usado como uma espécie de massa desinfetante. Ajuda ainda na impermeabilização da colmeia, na qual é aplicado também na entrada, formando uma barreira contra microrganismos e outros insetos. Ajuda também a controlar a temperatura da estrutura da colmeia e, no caso de insetos que forem mortos em seu interior, é aplicado como revestimento em seu corpo, impedindo que sua decomposição gere contaminação.

É produzido a partir de resinas vegetais, coletadas pelas abelhas das plantas existentes no entorno de sua colmeia – que é “processada” pela abelha através das enzimas de sua saliva. Ou seja: a abelha precisa “mastigar” a resina como parte do processo para ela se tornar própolis. Parece nojento? Ao contrário. O própolis tem uma composição complexa: possui aminoácidos, magnésio, cobre, ferro, zinco, vitaminas (B1, B2, E), niacina (vitamina B3), ácido fólico, flavonoides... Substâncias que são úteis e necessárias ao corpo humano. Sua composição lhe concede propriedades antibacterianas, antifúngicas e antivirais – razão pela qual há milênios o própolis é utilizado pelos humanos no tratamento ou prevenção de algumas infecções.

Hoje um dos usos mais comuns do própolis é no apoio como tratamento à dor de garganta, em forma de spray aplicado diretamente no local. Aliado ao mel, que também tem ação antibacteriana e antibiótica e comumente faz parte deste tipo de preparado (que pode ser encontrado nas farmácias com facilidade e comprado sem necessidade de receita médica), forma uma combinação que pode ajudar no alívio da dor e na recuperação do local, combatendo os microrganismos nocivos, diminuindo a inflamação e estimulando a fluidificação do muco (este, um atributo do mel).

Mas atenção: nem sempre o problema pode ser resolvido apenas com a aplicação desse tipo de spray com própolis. Inflamações e infecções na garganta podem evoluir, podendo gerar graves riscos à saúde. Então o melhor a fazer não é se automedicar, mas sim buscar orientação do médico, que pode avaliar corretamente o problema, prescrever medicamentos específicos para o problema e até dar suporte para a melhor utilização e para a dosagem correta do spray como auxiliar no tratamento – podendo portanto o própolis ser utilizado em conjunto com medicamentos comuns se o médico assim orientar.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.