São Paulo, 17 de Agosto de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

A pequena (e muito perigosa) aranha-marrom.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
14/11/2012 11:02

Picada parece inofensiva, mas na verdade pode até ser fatal.

Elas são pequenas e, para quem não conhece, não aparentam grande risco. Mas não se engane: se a expressão “tamanho não é documento” faz algum sentido, é em relação à aranha-marrom (Loxosceles sp). Elas medem pouco: de pouco menos de um centímetro a 3 ou 4 cm quando adultas.

Como o nome diz, elas tem coloração amarronzada ou castanha e pernas finas e longas. Vivem ao ar livre (debaixo de folhas secas, cascas de árvores, buracos, pilhas ou restos de materiais de construção, paredes ou muros velhos, galinheiros, etc.) e também no interior de residências, onde podem ser encontradas atrás de quadros, armários, caixas de papelão, sob móveis e gavetas, entre livros, etc.

É justamente esta capacidade de a aranha-marrom viver no ambiente doméstico que facilita a ocorrência de acidentes (picadas), mas quem trabalha ao ar livre também deve tomar cuidado.

Não é uma aranha agressiva: normalmente pica quando não consegue fugir ou se sente ameaçada. Um acidente comum é quando a pessoa não vê ou não percebe a presença dela – como quando a aranha está na cama, no interior de um calçado, luva ou roupa e, apertada contra o corpo, acaba picando.

A picada, a princípio, parece não ser nada de mais, pois pode doer pouco ou ser indolor ou, em alguns casos, até mesmo imperceptível. Mas a pessoa não se deve deixar enganar. O problema mostra que é realmente sério com o passar do tempo: entre 12 e 24 horas (o período pode variar) aparecem no local bolhas, dor intensa, inchaço, febre (em alguns casos) e sinal de necrose (morte do tecido ao redor da picada, com o local passando de vermelho a roxo e em seguida enegrecido, com aparência de “podre”). A necrose pode ser muito grave, podendo deixar sequelas que acompanharão a vítima por toda a vida.

Se não houver tratamento, os sintomas podem evoluir para boca seca, sonolência e urina escura – o que indica que está havendo comprometimento dos rins causado pelo veneno da aranha, o que é uma entre outras complicações graves possíveis que podem levar à morte.

O que fazer quando picado?

Procurar imediatamente atendimento médico ao se perceber que foi picado por uma aranha-marrom ou ao se perceber os sintomas (o que ocorrer primeiro, evidentemente, pois não se deve esperar os sintomas para buscar atendimento).

A busca de ajuda médica rapidamente é fundamental para que seja aplicado o soro que combate o veneno da aranha o mais brevemente possível. Além de poder evitar a morte, o soro pode impedir também que as lesões ocorridas no local da picada sejam muito graves e deixem sequelas.

Se for possível, levar a aranha que picou, para que o serviço de saúde possa se certificar que se trata mesmo da aranha-marrom ou de alguma outra espécie, o que pode facilitar na hora de se definir qual soro deve ser aplicado.

Para isso, deve-se colocar a aranha em um frasco com tampa (um pote de maionese vazio, por exemplo), inserindo álcool para matá-la. Mas muito cuidado: a captura deve ser feita com extrema atenção, para evitar novo acidente. Se não for possível capturar a aranha, não perder tempo e procurar ajuda médica mesmo assim.

Prevenção de acidentes

A prevenção de acidentes com a aranha-marrom pode ser feita com uma série de medidas:

• Manter jardins, quintais e terrenos baldios sempre limpos. Evitar o acúmulo de lixo, entulho, materiais de construção, etc. nesses locais ou em áreas próximas à casa. Não construir galinheiros próximos à residência. Não cultivar plantas que produzem folhagens (trepadeiras, bananeiras, etc.) próximas à casa e manter a grama bem aparada.

• Antes de vestir uma roupa, calçar luvas ou sapatos certificar-se de que não há aranhas ou outros animais no interior. Sacudir e bater no chão os calçados, com a abertura voltada para baixo, ajuda a eliminar eventuais aranhas que estejam em seu interior.

• Vedar soleiras das portas e janelas, principalmente ao entardecer e à noite; usar telas de proteção que devem sempre ficar fechadas – no caso das portas, a instalação de molas evita que ela seja esquecida aberta.

• Manter a casa sempre limpa, inclusive a parte de trás e debaixo de móveis, quadros, gavetas e sob a cama, no estrado e sob o colchão. Não juntar ou armazenar caixas e outros objetos pouco utilizados no interior da residência: a aranha-marrom “gosta” de locais pouco remexidos.

• Não colocar a mão em buracos, embaixo de pedras, telhas, tijolos, troncos, etc. Fazer o uso de luvas e calçados fechados (preferencialmente botas) sempre que for fazer um trabalho no campo ou no quintal, por exemplo.

• Não eliminar lagartixas: elas são predadoras da aranha-marrom e podem ajudar em seu controle natural.

As aranhas-marrons reproduzem-se rapidamente: uma única fêmea pode botar cerca de 130 ovos a cada postura. Isso indica que encontrar uma aranha-marrom pode significar que há várias outras. Nesse caso, fazer uma “checagem” completa no local, eliminando todas as aranhas que forem encontradas – bem como seus ninhos – e certificar-se de que as medidas de prevenção estão sendo tomadas.


Publicado originalmente em 14 de novembro de 2012.

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.