São Paulo, 10 de Dezembro de 2018

Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Feijoada / Confraternização de Doadores e Aniversário de 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom
Confraternização de Doadores e 9 Anos do Clube SangueBom

Ouvidos e água: combinação a se evitar.

Escrita por: Redação Fellows Mkt & Co.
03/01/2013 16:52

Água do mar ou da piscina dentro do ouvido pode atrapalhar as férias.

Calor, verão, sol, férias e água, muita água. A combinação parece ser bem agradável, mas esconde uma série de riscos. Um deles, embora relativamente simples, requer alguns cuidados muito especiais: o risco de a água, do mar, lago, rio ou piscina entrar no ouvido – podendo gerar uma infecção capaz de atrapalhar o passeio de férias.

O que fazer para evitar esse problema? Alguns cuidados são:

• Não se banhar em água imprópria. Muita gente simplesmente ignora as placas de águas impróprias para banho. Não cometer esse erro: os microrganismos existentes em maior número nessas águas aumentam em muito o risco de infecção no ouvido, além de trazerem outros riscos.

• Secar o ouvido ao sair da água. Não deixá-los molhados ajuda a evitar a inflamação de ouvido mais comum, que é a otite externa – que, como o nome diz, ocorre justamente na parte mais externa (e exposta à água) do ouvido, que por isso mesmo está mais sujeita a ser atacada por vírus, fungos e bactérias.

• Evitar soluções caseiras. Não se deve usar óleos, álcool ou outros remédios caseiros. Também não se deve jamais introduzir qualquer objeto no ouvido, mesmo hastes com algodão. Há o risco de esses recursos acabarem piorando o problema ou ferirem o ouvido – e podem até mesmo levar à perda da audição.

• Não se automedicar. Também não se deve usar medicamentos de “se pingar” no ouvido ou de qualquer outro tipo sem a prescrição de um médico. Usar medicamentos errados ou da maneira incorreta também pode trazer piora da infecção e risco de perda da audição. Só utilizar medicamentos prescritos por um médico, e da maneira (quantidade, vezes) indicadas por ele.

• Utilizar protetores de ouvido. Quem vai nadar pode proteger o ouvido da água utilizando protetores especiais, que podem ser encontrados em farmácias. Eles devem ser usados seguindo-se rigorosamente as instruções do fabricante. Nem sempre são plenamente eficazes, mas podem ajudar.

• Cuidado com mergulhos. Quem mergulha deve evitar profundidades maiores e evitar o impacto forte do ouvido com a água. Tanto o impacto da água com o ouvido como a pressão podem forçar a água para dentro do ouvido e causar inflamações.

• Não deixar água no ouvido. Se ocorrer de entrar água, um jeito simples de fazê-la sair é enxugar o ouvido e depois deitar-se de lado mantendo o lado afetado para baixo. Em alguns minutos a água deve sair. Em seguida, enxugar novamente o ouvido com uma toalha.

Por fim, vale lembrar: ao fazer uma viagem informe-se sobre os serviços médicos disponíveis no local. Em caso de problemas, como uma infecção no ouvido ou qualquer outra emergência, é importante saber onde buscar ajuda médica. Se o ouvido apresentar dor, secreção ou desconforto não ter dúvida: procurar o médico, de preferência, se possível, um que seja especializado em ouvido (o nome da especialidade é otorrino ou otorrinolaringologista).

Pompeia: Rua Tavares Bastos, 425 - (11) 3674-4444 - De 2ª a 6ª das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 16h.